Pular para o conteúdo principal

Philips corta uma dimensão (mercado 3D)





Ao longo do ano passado muitos de nós pudemos acompanhar e até participar das iniciativas da Philips com 3D no Brasil. A criativa equipe local conseguiu utilizar o bom "jeitinho brasileiro" e driblar várias adversidades relacionadas ao alto custo do equipamento e produção. Diversas das principais empresas de digital signage do mercado brasileiro firmaram parcerias com a Philips e chegaram a instalar alguns projetos, oferecendo indicação de que os resultados seriam demorados, mas que o mercado acredita nessa tecnologia.

Li recentemente que a Philips decidiu abandonar sua iniciativa 3D e inclusive vai dar os plugins (antes cobrados) necessários para a produção, a fim de não perpetuarem custos com suporte ao produto.

Pessoalmente acredito que o mercado 3D ainda está bastante distante de sua maturidade. No Digital Signage Expo em Las Vegas no final de fevereiro, os principais fabricantes apresentavam modelos 3D. Sua expectativa é que em algum momento estejamos assistindo o futebol de domingo e a programação normal da TV em uma tela 3D na sala de nossas casas. (Fiquei com uma tela antiga da NewSight emprestada pelo Michael da 3D impact na sala de minha casa por algumas semanas. Fazendo testes com amigos e família, constatei que, por exemplo, pessoas da geração mais nova e habituadas a passar horas em frente a um PC, acharam tranquilo ficar expostos por um longo tempo a programação 3D. Por outro lado, nas pessoas acima de 50 anos tive uma maior incidência de desconforto).

Como profissional da área, os problemas que encontrei foram técnicos. A conclusão atual é que o 3D é uma excelente ferramenta para ações pontuais ou "stand-alone" mas que a tecnologia ainda não está devidamente preparada para grandes redes. O principal problema que percebi é que as telas dependem de um "media player" proprietário. Dessa forma, empresas que já trabalham com um software de digital signage precisam integrar seu player a esse "media player" proprietário. Na prática, os principais fornecedores globais de software investiram milhões de USD no desenvolvimento de seus "players" e não necessariamente lhes agrada transferir o controle para um player proprietário com, tipicamente, bem menos tempo de P&D e desenvolvimento. O resultado é que todos os testes que vi, a integração não passou no processo de "Quality Assurance" das fornecedoras de software -> ou seja, a integração não é confiável para operações 24/7 ou em larga escala.

Mencionei no meu post sobre o DSE o produto da Alioscopy, essa empresa desenvolveu a tela de certa forma que a exibição do 3D independe de um player proprietário (ou seja, pode funcionar com qualquer software "player"). O segredo é um plugin na hora da produção do conteúdo (a ser adicionado no After Effects por exemplo). Por enquanto a tela ainda é cara e ainda há alguns problemas relacionados ao tamanho dos arquivos (que impactam na distribuição do conteúdo para múltiplas telas, por exemplo) e outros aspectos de construção, no entanto, acredito que esse é um melhor caminho a ser seguido, garantindo maior interoperabilidade e diminuindo uma barreira para a integração com fornecedores existentes de software.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos do sucesso dos Digital Menuboards

Por que todas as principais redes de alimentação, grandes ou pequenas, tem adotado os Digital Menuboards?  As tecnologias de Digital Signage  são um tempero certeiro no varejo da alimentação. Ver um cheeseburger perfeitamente preparado em uma TV nos fará salivar mesmo que estejamos no sofa de casa distante de um restaurante. Marketing e publicidade digitais tem a capacidade de potencializar o apelo de produtos e serviços. Apelo que ganha ainda mais força quando atuamos no ponto de venda onde o cliente toma sua decisão. Elementos visuais criam estímulos tão poderosos quanto os olfativos na sensação de fome de seus clientes. A lógica é simples: "Se sua comida se apresenta bonita, ela também deve ser saborosa." Redução de espera e agilidade nos pedidos. Seja em lanchonetes, fast-food ou restaurantes gourmet, sempre há momentos de espera. No caso das lanchonetes e fast foods essa espera ocorre na área das filas e onde se conta visualmente com o digital menuboard, enquan

Digital out of Home a Primer: Marco na indústria DOOH e aproximação com métricas online.

--> Lançado em final de Março de 2019, “Digital Out-of-Home - A Primer” é um documento compreensivo das melhores práticas do Digital Out-of-home, serve como o guia de referência mais atualizado já produzido por essa indústria para a comunidade publicitária. O documento foi uma colaboração entre as principais entidades norte americanas de Out-of-Home e o IAB, organização que estrutura e apoia na padronização da mídia na internet desde anúncios no Google ou mídia social. Ao avançar na sinergia com a IAB, é também um documento marco na direção de integrar a indústria do Digital Out of Home (DOOH) com a mídia online. Muitas dessas entidades são internacionalizadas e apontam a direção global da indústria, não necessariamente restringindo-se ao mercado Norte Americano. As credenciais abaixo atestam a importância da iniciativa: Digital Place-Based Advertising Association. Digital Signage Federation. Interactive Advertising Bureau. Geopa

Digital Out of Home a Primer - Seção 1 - Introdução e Fundamentos

Em abril do ano passado noticiamos a produção do DOOH Primer , documento elaborado pelas principais associações e entidades do setor de OOH nos Estados Unidos e nossa intenção em produzir uma versão em português do documento. O documento consolida os entendimentos mais atualizados globalmente sobre mídia exterior e o Digital Out of Home. Um setor que está em franca transformação digital com aumento significativo de sua relevância como meio de comunicação. Em resumidas palavras, o Primer é o documento indispensável para agências, compradores de mídia e operadores de rede que atuam no mercado DOOH. Está disponível para download mediante cadastro simples: https://www.brasooh.com.br/primer-dooh