Pular para o conteúdo principal

Gartner lança o Hype Cycle 2009

Anualmente a Gartner lança seu "Hype Cycle" e na semana passada recebemos a versão 2009. A idéia é pegar as modas e tendências tecnológicas e colocá-la diante de um ciclo de maturação, começando por seu surgimento, passando por um período de expectativa inflada, seguindo por desilusão, amadurecimento e enfim produtividade.

Portanto, se você acha que já ouviu falar o suficiente (ou se ainda não ouviu..) sobre telas 3D ou realidade aumentada, eles ainda estão na parte inicial do ciclo e muito ainda se falará sobre essas tecnologias.



Há de se admitir que algumas das entradas no ciclo são um pouco estranhas e a posição de outras um pouco questionável. Interessante ver, por exemplo, que cloud computing está no auge do hype. Como um paralelo, muitas empresas nacionais capitalizaram no auge do hype na criação de suas infra-estruturas SaaS. Na prática, o gerenciamento de servidores e os módulos necessários para seu funcionamento são bem mais complexos e custosos do que a 1a vista.

Por outro lado, quanto a telas 3D, a Sky anunciou que está planejando o lançamento de um canal em 3D somente para TVs 3D-ready.

Em que estágio você acredita que está o mercado de Digital Out-of-Home no Brasil?

Diria que a fase "technology trigger" ocorreu entre 2004-2006, quando a tecnologia efetivamente apareceu no Brasil e quando assistimos ao crescimento de empresas como Elemidia e Indoormidia.

Entre 2006-2008 acredito que chegamos ao pico do "inflated expectations" e assistimos algumas empresas saindo do ar, entre eles promissores projetos em lojas de conveniência, hotéis e shoppings.

Dessa forma, acredito que estamos em alguma parte entre o ajuste dessas expectativas, a desilusão e o amadurecimento. Na prática, isso varia de empreendimento para empreendimento. Há empresas que sobreviveram as etapas anteriores e já caminham para um amadurecimento, empurrando o mercado para o mesmo caminho. Algumas startups ainda surgem com expectativas infladas, mas já capitalizando em alguns erros e acertos do passado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos do sucesso dos Digital Menuboards

Por que todas as principais redes de alimentação, grandes ou pequenas, tem adotado os Digital Menuboards?  As tecnologias de Digital Signage  são um tempero certeiro no varejo da alimentação. Ver um cheeseburger perfeitamente preparado em uma TV nos fará salivar mesmo que estejamos no sofa de casa distante de um restaurante. Marketing e publicidade digitais tem a capacidade de potencializar o apelo de produtos e serviços. Apelo que ganha ainda mais força quando atuamos no ponto de venda onde o cliente toma sua decisão. Elementos visuais criam estímulos tão poderosos quanto os olfativos na sensação de fome de seus clientes. A lógica é simples: "Se sua comida se apresenta bonita, ela também deve ser saborosa." Redução de espera e agilidade nos pedidos. Seja em lanchonetes, fast-food ou restaurantes gourmet, sempre há momentos de espera. No caso das lanchonetes e fast foods essa espera ocorre na área das filas e onde se conta visualmente com o digital menuboard, enquan

Elemidia eleva o nível da discussão sobre métrica no Brasil

Ontem foi divulgado o resultado da auditoria da PricewaterhouseCoopers sobre o sistema de publicação da Elemídia . Esse é um importante passo não somente para a Elemidia como para toda a nossa indústria, ao elevar a discussão da métrica e confiabilidade dos sistemas de DOOH (Digital Out-of-Home). Ainda hoje algumas das principais empresas no segmento são sujeitas a fornecer "foto checking" ou outros métodos herdados de outros meios para comprovar a veiculação. Com a chancela de uma auditoria e toda a divulgação da Elemidia, elevamos a discussão junto aos anunciantes ao promover a credibilidade dos relatórios de exibição e torná-los o documento padrão . O efeito no médio-longo prazo será que os grandes compradores de mídia passarão a exigir esse nível de credibilidade de todos operadores de redes de mídia DOOH. Empresas como a Accent Health operam 12 mil clínicas no exterior. A Neo Advertising tem em torno de 150 mil telas na Europa e EUA. Imagine se houvesse a neces

JCDecaux em Heathrow e as telas sequenciais

Recentemente escrevi a respeito da pesquisa EyeTracker realizada pela JCDecaux . Embasado nesses resultados, instalaram um projeto no Terminal 5 do aeroporto internacional de Londres (Heathrow) denominado "The Runway". O terminal é conhecido por ser praticamente um shopping de luxo, exibindo marcas como Prada, Bulgari e Tiffany . As 40 telas foram posicionadas no teto e colocadas na vertical. A inovação fica por conta das telas sequenciais, que segundo a pesquisa permite a melhor assimilação das mensagens. O conteúdo será vendido em campanhas de 2 semanas e voltadas para as marcas de luxo como moda, perfumes, joías, viagens de luxo entre outros. Segue o texto em inglês ( o termo saccadic diz respeito exatamente a essa forma de movimentação rápida dos olhos ): Eyetracker – sequential viewing research A key finding is that people on the move look around in a non-linear way, with their eyes flicking back and forth from the middle distance as they search for and are attr