Pular para o conteúdo principal

Métrica e fraca audiência da TV aberta nos EUA

Na semana passada a gigante norte-americana ABC teve a menor pontuação de audiência já registrada com jovens adultos (18-49), ficando abaixo de redes hispânicas como a Univision, segundo relatado no New York Times. Os números da ABC refletem de maneira geral um fraco desempenho da TV aberta norte americana nesse verão (nosso inverno).

O artigo não discute para onde foi essa audiência. Ainda que seja uma especulação, é de se acreditar que mídias mais segmentadas como a TV a cabo tenham se beneficiado. De maneira geral é mais um indicador aos anunciantes que cada vez mais a mídia de massa oferece menos a promessa de audiência.

Sob nossa ótica, devemos seguir credibilizando o nosso meio, a começar pela questão da métrica, tema que será recorrente nesse blog.

O lançamento do Audience Metric Guidelines pela OVAB foi um marco histórico na indústria estabelecendo diretrizes para utilizarmos de maneira consistente o termo "audiência" e nos tornar comparáveis a outras mídias (ex: enquanto a aberta caí.. a nossa cresce..)

No entanto, meses após, ainda não há nenhuma empresa que possa assegurar ter uma audiência certificada pelo processo (e isso inclui os membros da OVAB). A certificação envolve não só a realização da pesquisa mas a apresentação da metodologia em conformidade com os "guidelines". Em breve empresas de pesquisa como Arbitron, Nielsen e outras (regionais em cada país por exemplo) estarão credenciadas para realizar o processo e certificar as redes.

No meio tempo, há ainda outro passo anterior indispensável para os operadores de redes. Ter um número confiável para o tamanho de sua audiência não assegura que seu sistema efetivamente entregou os anúncios ou sequer que as telas estavam ligadas.

Em breve teremos um anúncio no Brasil divulgando que um de nossos maiores operadores de rede (o maior, dependendo do critério..) realizou um extenso e custoso processo para certificar seu datacenter e relatórios, assegurando a veracidade e precisão dos relatório de comprovação.

Essa manobra estratégica fortalece essa empresa e alertará cada vez mais o mercado comprador de mídia sobre a relativa falta de confiabilidade dos relatórios gerados pelas demais empresas na indústria. Sendo esse um processo caro, poucos operadores de rede vão ter as condições para replicar esse tipo de auditoria. Se essa for a tendência, sobretudo os pequenos operadores tem a perder.

Sou um defensor da consolidação tecnológica do mercado, utilizando uma plataforma comum que possibilite a interligação das redes, grandes ou pequenas, gerando massa crítica (audiência) que nos torne comparáveis a mídia tradicional. Se minha visão for correta, passa a ser responsabilidade dos fornecedores de software e infra-estrutura (datacenter terceirizado/SaaS) e não dos operadores de rede realizar esse processo de auditoria e assegurar a confiabilidade de seus relatórios.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fim de Festa nas Empresas de Tecnologia Publicitária (AdTech)! A Nova Década Será Marcada por Privacidade e Liderança da Mídia Exterior!

(Créditos foto inc.com)
31 de dezembro de 2019 marcou o final de uma década e de uma era na publicidade digital.
Presenciamos nesses anos passados o sucesso exponencial de tecnologias web para publicidade com base em cookies. A tecnologia permitiu a coleta de dados em massa e a criação de perfis baseados em comportamento e interesses para otimizar o direcionamento de conteúdo servido a cada usuário, mas através de métodos que ignoram sistematicamente a privacidade.
Segundo o Tecnoblog, cookies “são pequenas informações que os sites enviam aos navegadores dos usuários para guardar preferências e dados de login”. Enquanto que “cookies de terceiros” são “cookies que não foram enviados pelo site que você está acessando. Um exemplo clássico é o dos banners de publicidade: o código do anúncio normalmente fica hospedado em outro servidor e, além de exibir a propaganda, envia cookies para rastrear o usuário. Sabendo quais sites a pessoa visita com frequência, é possível descobrir seus interesse…

Os segredos do sucesso dos Digital Menuboards

Por que todas as principais redes de alimentação, grandes ou pequenas, tem adotado os Digital Menuboards? 



As tecnologias de Digital Signage são um tempero certeiro no varejo da alimentação. Ver um cheeseburger perfeitamente preparado em uma TV nos fará salivar mesmo que estejamos no sofa de casa distante de um restaurante. Marketing e publicidade digitais tem a capacidade de potencializar o apelo de produtos e serviços. Apelo que ganha ainda mais força quando atuamos no ponto de venda onde o cliente toma sua decisão. Elementos visuais criam estímulos tão poderosos quanto os olfativos na sensação de fome de seus clientes. A lógica é simples: "Se sua comida se apresenta bonita, ela também deve ser saborosa."

Redução de espera e agilidade nos pedidos.

Seja em lanchonetes, fast-food ou restaurantes gourmet, sempre há momentos de espera. No caso das lanchonetes e fast foods essa espera ocorre na área das filas e onde se conta visualmente com o digital menuboard, enquanto outros r…

Digital Out of Home a Primer - Seção 1 - Introdução e Fundamentos

Em abril do ano passado noticiamos a produção do DOOH Primer, documento elaborado pelas principais associações e entidades do setor de OOH nos Estados Unidos e nossa intenção em produzir uma versão em português do documento.

O documento consolida os entendimentos mais atualizados globalmente sobre mídia exterior e o Digital Out of Home. Um setor que está em franca transformação digital com aumento significativo de sua relevância como meio de comunicação.

Em resumidas palavras, o Primer é o documento indispensável para agências, compradores de mídia e operadores de rede que atuam no mercado DOOH.

Está disponível para download mediante cadastro simples:

https://www.brasooh.com.br/primer-dooh