Pular para o conteúdo principal

A maior operação de Digital Signage no mundo é parcialmente adquirida

A Focus Media da China é considerada a maior operação de Digital Signage da atualidade no mundo e tem servido de referência para muitos empreendedores. Após uma escalada vertiginosa de crescimento entre 2003-2007, prejuízos em 2008 fizeram com que seja adquirida. O que está acontecendo com a Focus?

A Focus Media se tornou notória devido a sua rápida evolução no mercado chinês e como uma das primeiras empresas do setor no mundo a abrir capital na NASDAQ (FMCN). Iniciaram operações em 2003, fechando o ano com1.028 LCDs. Em 2004, fecharam o ano com 15.415 LCDs. Em meados de 2007 os números giravam em torno de 131 mil LCDs. Nessa época iniciaram sua metamorfose para uma empresa mais ampla de mídia e passaram a explorar oportunidades também com a mídia estática (similar ao que a NewAD ou Enox fazem hoje no Brasil), mobile marketing e LEDs outdoor (similar ao conceito da Eletromídia). Iniciaram um ciclo de aquisição das principais concorrentes como a CGEN.

Uma das principais curiosidades da rede é que, devido ao custo reduzido de mão de obra na china e também na aquisição de equipamentos, a maior parte do sistema de Digital Signage funcionava sem internet, atualizado por funcionários que devem ficar rodando de bicicleta trocando milhares de cartões SD acoplados as telas todas as semanas.

Ao longo de 2007 as ações subiram 65% e a Focus chegou a valer USD$7 bilhões.

No entanto, ao longo de 2008, as ações despencaram e na segunda metade do ano valiam em torno de USD$35. Atualmente estão sendo negociadas próximo a USD$9. No terceiro trimestre de 2008 foram bombardeados por não terem alcançado metas de receita devido as olimpíadas. Na sequência, tomaram prejuízo de aproximadamente USD$200M em uma das aquisições feitas nem um ano antes. O resultado foi um desvalorização de 80% na empresa em 2008.

Essa desvalorização foi vista como uma excelente oportunidade de negócio para a Sina, um portal de internet na China com o maior faturamento publicitário no país. Visando provar que a queda da Focus foi resultado de má gestão, e não de um mercado ruim, ofereceu comprar parte das principais operações da Focus por mais de $1 bilhão em ações da Sina.

Executivos da Sina acreditam que serão capazes de vender anúncios entre as plataformas online e offline (no caso o Digital Signage da Focus é considerado offline por não utilizar conexão com a internet). Dessa forma aumentam seu leque de possíveis anunciantes e reduzem a dependência nos seus principais setores que são justamente a área financeira, imobiliária e automobilística.

Para maiores informações há algumas matérias no WSJ.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos do sucesso dos Digital Menuboards

Por que todas as principais redes de alimentação, grandes ou pequenas, tem adotado os Digital Menuboards?  As tecnologias de Digital Signage  são um tempero certeiro no varejo da alimentação. Ver um cheeseburger perfeitamente preparado em uma TV nos fará salivar mesmo que estejamos no sofa de casa distante de um restaurante. Marketing e publicidade digitais tem a capacidade de potencializar o apelo de produtos e serviços. Apelo que ganha ainda mais força quando atuamos no ponto de venda onde o cliente toma sua decisão. Elementos visuais criam estímulos tão poderosos quanto os olfativos na sensação de fome de seus clientes. A lógica é simples: "Se sua comida se apresenta bonita, ela também deve ser saborosa." Redução de espera e agilidade nos pedidos. Seja em lanchonetes, fast-food ou restaurantes gourmet, sempre há momentos de espera. No caso das lanchonetes e fast foods essa espera ocorre na área das filas e onde se conta visualmente com o digital menuboard, enquan

Elemidia eleva o nível da discussão sobre métrica no Brasil

Ontem foi divulgado o resultado da auditoria da PricewaterhouseCoopers sobre o sistema de publicação da Elemídia . Esse é um importante passo não somente para a Elemidia como para toda a nossa indústria, ao elevar a discussão da métrica e confiabilidade dos sistemas de DOOH (Digital Out-of-Home). Ainda hoje algumas das principais empresas no segmento são sujeitas a fornecer "foto checking" ou outros métodos herdados de outros meios para comprovar a veiculação. Com a chancela de uma auditoria e toda a divulgação da Elemidia, elevamos a discussão junto aos anunciantes ao promover a credibilidade dos relatórios de exibição e torná-los o documento padrão . O efeito no médio-longo prazo será que os grandes compradores de mídia passarão a exigir esse nível de credibilidade de todos operadores de redes de mídia DOOH. Empresas como a Accent Health operam 12 mil clínicas no exterior. A Neo Advertising tem em torno de 150 mil telas na Europa e EUA. Imagine se houvesse a neces

JCDecaux em Heathrow e as telas sequenciais

Recentemente escrevi a respeito da pesquisa EyeTracker realizada pela JCDecaux . Embasado nesses resultados, instalaram um projeto no Terminal 5 do aeroporto internacional de Londres (Heathrow) denominado "The Runway". O terminal é conhecido por ser praticamente um shopping de luxo, exibindo marcas como Prada, Bulgari e Tiffany . As 40 telas foram posicionadas no teto e colocadas na vertical. A inovação fica por conta das telas sequenciais, que segundo a pesquisa permite a melhor assimilação das mensagens. O conteúdo será vendido em campanhas de 2 semanas e voltadas para as marcas de luxo como moda, perfumes, joías, viagens de luxo entre outros. Segue o texto em inglês ( o termo saccadic diz respeito exatamente a essa forma de movimentação rápida dos olhos ): Eyetracker – sequential viewing research A key finding is that people on the move look around in a non-linear way, with their eyes flicking back and forth from the middle distance as they search for and are attr