Pular para o conteúdo principal

Digital Signage Expo 2010

Depois de um breve jejum (acumulando novidades, é claro..rs), re-iniciamos as atividades do Mundooh com algumas impressões pessoais sobre o DSE 2010.

Las Vegas 23-25 de Fevereiro de 2010
A principal impressão é que foi o melhor evento do segmento que já participei no sentido de oportunidades reais de projetos. Haviam muito mais empresas prontas para investir do que em anos anteriores. Isso representa que nossa indústria finalmente chegou a maturidade (escuto isso desde 2004) e que o futuro é próspero? Talvez sim, talvez não. O certo é que há muita atividade positiva no curto e médio prazo e um clima renovado de otimismo.

Grandes players mundiais como Intel, LG, Samsung e Sony anunciavam novos produtos, sugerindo que há verba e oportunidades a caminho. Certamente acredito que os bons tempos nunca estiveram tão próximos.

Deixando o brilho de lado, a dose de realidade
Público de 3400 pessoas, 14% a mais do que o ano passado.
56 novos exibidores.

A impressão geral do chão da feira foi de certa confusão. Imagino que o neófito tenha saído mais desorientado do que com informações adequadas para uma decisão. Os discursos de marketing em muito se parecem, diversos produtos se assemelham e a inovação mesmo fica restrita a poucas empresas, tipicamente as mesmas figuras dos últimos anos, com poucas variações.

Em contrapartida, houve pouco enfoque nas soluções que resolvem problemas reais dos empresários do setor. Foram poucas as empresas que exploraram as maneiras de utilizar o digital signage como uma porta para aumentar receita e comunicar melhor.

Mais especificamente, não consigo citar muitas coisas interessantes para um comprador de mídia ou agência que tenha participado da feira. Faltou o enfoque de que estamos aqui para propor uma comunicação envolvente e relevante e não vender caixas de sabão.

Interessante também foi notar uma forte presença de latinos. Muitos brasileiros: Elemidia, IndoorMidia, 3Midia, Droid, Megamidia entre muitos outros. A Colombia parece ter despertado e interessantes projetos apareceram de locais mais inesperados como Venezuela e Cuba.

Para quem buscava conteúdo, de maneira semelhante, parece que todos oferecem notícias e meteorologia. Não é uma crítica a esse tipo de conteúdo, mas é muito genérico. Como é mesmo que consigo conteúdo relevante para a minha audiência?

Próximos passos evolutivos
A conclusão que vem se chegando ao longo do último ano é que faltam resolver duas importante questões:

1) Como é mesmo que vamos nos chamar? Quem assistiu a qualquer palestra pode ter anotado pelo menos uns 10 diferentes nomes em inglês usados pelos palestrantes (Digital Signage, Digital Out of Home, Place based media, Captive audience networks, narrowcasting.. e por aí vai..). Na palestra da BroadSign, levantou-se a questão de que usar "Digital Out-of-Home" implica diretamente em que somos um sub-grupo do Out of Home. Apesar de números levemente positivos para nossa indústria durante a recessão, o grupo Out of Home foi um dos mais atingidos, com muito de sua verba voltando para a TV aberta. Ou seja, melhor ser um grupo e não um sub-grupo para evitar reflexos negativos por tabela e também para concorrer mais diretamente com a mídia consolidada.

Por mais que o termo Digital Signage esteja longe de perfeito, em uma rápida pesquisa no google vemos que é de também de longe o termo mais utilizado.

A OVAB (Out of Home Video Advertising Bureau) essa semana anunciou que vai trocar seu nome para DPAA (Digital Place based Advertising Association).

2) É necessário automatizar a execução da distribuição da mídia. Essa é a melhor analogia que tenho para explicar a importância desse ponto: Você tem um website com muitos visitantes. Nesse caso um banner pode lhe gerar receita. É só abrir espaço para o banner que um controle central (leia-se Google Ad-words) entrega o conteúdo e a receita. Imagine agora que você tem um espaço público com muitos visitantes e você tem uma ou mais telas por lá...

A questão é, como unificar tecnologicamente operações que as vezes são isoladas (1 ou 2 localidades, mas milhares delas) ou gigantes (8000-10.000 pontos distintos) para distribuir o conteúdo de maneira centralizada? Quem e como se unificará a núvem? A proposta SaaS pode oferecer alguma indicação no momento, no entanto, não basta ter somente um servidor terceirizado, essa infra-estrutura tem que estar apta a se comunicar de maneira simples com diversas outras redes em um processo automatizado, sem depender de recursos humanos para gerar playlists ou preparar relatórios de exibição e checking.

Em breve, mais novidades.
Bom dia!!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fim de Festa nas Empresas de Tecnologia Publicitária (AdTech)! A Nova Década Será Marcada por Privacidade e Liderança da Mídia Exterior!

(Créditos foto inc.com)
31 de dezembro de 2019 marcou o final de uma década e de uma era na publicidade digital.
Presenciamos nesses anos passados o sucesso exponencial de tecnologias web para publicidade com base em cookies. A tecnologia permitiu a coleta de dados em massa e a criação de perfis baseados em comportamento e interesses para otimizar o direcionamento de conteúdo servido a cada usuário, mas através de métodos que ignoram sistematicamente a privacidade.
Segundo o Tecnoblog, cookies “são pequenas informações que os sites enviam aos navegadores dos usuários para guardar preferências e dados de login”. Enquanto que “cookies de terceiros” são “cookies que não foram enviados pelo site que você está acessando. Um exemplo clássico é o dos banners de publicidade: o código do anúncio normalmente fica hospedado em outro servidor e, além de exibir a propaganda, envia cookies para rastrear o usuário. Sabendo quais sites a pessoa visita com frequência, é possível descobrir seus interesse…

Os segredos do sucesso dos Digital Menuboards

Por que todas as principais redes de alimentação, grandes ou pequenas, tem adotado os Digital Menuboards? 



As tecnologias de Digital Signage são um tempero certeiro no varejo da alimentação. Ver um cheeseburger perfeitamente preparado em uma TV nos fará salivar mesmo que estejamos no sofa de casa distante de um restaurante. Marketing e publicidade digitais tem a capacidade de potencializar o apelo de produtos e serviços. Apelo que ganha ainda mais força quando atuamos no ponto de venda onde o cliente toma sua decisão. Elementos visuais criam estímulos tão poderosos quanto os olfativos na sensação de fome de seus clientes. A lógica é simples: "Se sua comida se apresenta bonita, ela também deve ser saborosa."

Redução de espera e agilidade nos pedidos.

Seja em lanchonetes, fast-food ou restaurantes gourmet, sempre há momentos de espera. No caso das lanchonetes e fast foods essa espera ocorre na área das filas e onde se conta visualmente com o digital menuboard, enquanto outros r…

Digital Out of Home a Primer - Seção 1 - Introdução e Fundamentos

Em abril do ano passado noticiamos a produção do DOOH Primer, documento elaborado pelas principais associações e entidades do setor de OOH nos Estados Unidos e nossa intenção em produzir uma versão em português do documento.

O documento consolida os entendimentos mais atualizados globalmente sobre mídia exterior e o Digital Out of Home. Um setor que está em franca transformação digital com aumento significativo de sua relevância como meio de comunicação.

Em resumidas palavras, o Primer é o documento indispensável para agências, compradores de mídia e operadores de rede que atuam no mercado DOOH.

Está disponível para download mediante cadastro simples:

https://www.brasooh.com.br/primer-dooh