Pular para o conteúdo principal

7-Eleven, 6200 lojas de conveniência em 2010


Muito tem se falado essa semana sobre o contrato assinado entre a Digital Display Networks e a rede de lojas de conveniênvia 7-Eleven. Com 60 lojas instaladas atualmente e 6200 previstas até o final de 2010, vão impactar uma audiência de 190 milhões de pessoas, tornando-se, segundo o release a maior rede de Digital-out-of home dos EUA.

(Nota do autor, a empresa onde trabalho atualmente tem um projeto instalado em um cliente com 12 mil pontos nos EUA, a Accent Health, provavelmente a maior rede de DOOH nos EUA, em número de pontos instalados.)

Venho ouvindo falar sobre o projeto do 7-Eleven desde que comecei no Digital Signage. De lá para cá constatei que o segmento de lojas de conveniência é, ao menos no Brasil, consideravelmente mais desafiador do que o originalmente esperado. Nesse período vi uma rede iniciada em 2005 nas lojas da Ipiranga iniciar e falhar, e da mesma forma tenho alguns clientes, empresas sólidas em nosso mercado, que não tem encontrado facilidade em operar nesse segmento. Acredito que analisar a experiência internacional no passado possa nos trazer luz e realizar as dificuldades que a DDN vai ter que enfrentar..

Por volta de 1999-2001 uma das mais badaladas empresas de Digital Signage era a Next Generation Networks (NGN). A empresa levantou $96 milhões de USD$ no mercado e preparava-se para um IPO, até explodir junto com a bolha da internet.

A primeira iniciativa da 7-Eleven foi um contrato com a NGN nessa época. O acordo previa um pagamento mínimo de $3 milhões por ano e uma multa de $150 mil por loja se a NGN não atingisse as 4800 lojas instaladas no prazo estipulado na época (3-4 anos). Uma outra cláusula dava o direito ao 7-Eleven terminar o relacionamento com um aviso prévio de 30 dias caso essa marca não fosse atingida.

A NGN desembolsou milhões em multas e não conseguiu atingir as metas esperadas, somando aos custos elevados da operação. O mix de anunciantes nacionais vs regionais era bem menos compreendido do que hoje e a NGN falhou também em diversos aspectos de sua estratégia comercial. O que restou da empresa entre bens e tecnologia foi adquirido pela Regal Cinemedia, no entanto, não havia muito a ser aproveitado, a tecnologia proprietária também já se encontrava defasada pouco depois (ao contrário do que se imagina, desenvolver software para o segmento exige investimento contínuo e a um custo alto).

O 7-Eleven não investiu nada nesse contrato, tudo correu por conta da NGN. Atualmente, qualquer bom profissional do segmento sabe que o varejista tem que estar envolvido em alguma parte do risco para que o projeto tenha chances de sucesso. A parceria com a NGN foi totalmente unilateral.

Não tenho maiores detalhes sobre o acordo com a DDN, mas acredito que de maneira similar vão arcar com todo o investimento para o 7-Eleven TV. Se assim for, é bem provável que esse projeto venha a encerrar com outra startup no segmento.

Comentários

Unknown disse…
Belo Post Yuri! Abs Cadena
Anônimo disse…
Olá Yuri!Gostaria de saber se tem uma loja da 7-Eleven no [Brasil] São Paulo!

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos do sucesso dos Digital Menuboards

Por que todas as principais redes de alimentação, grandes ou pequenas, tem adotado os Digital Menuboards?  As tecnologias de Digital Signage  são um tempero certeiro no varejo da alimentação. Ver um cheeseburger perfeitamente preparado em uma TV nos fará salivar mesmo que estejamos no sofa de casa distante de um restaurante. Marketing e publicidade digitais tem a capacidade de potencializar o apelo de produtos e serviços. Apelo que ganha ainda mais força quando atuamos no ponto de venda onde o cliente toma sua decisão. Elementos visuais criam estímulos tão poderosos quanto os olfativos na sensação de fome de seus clientes. A lógica é simples: "Se sua comida se apresenta bonita, ela também deve ser saborosa." Redução de espera e agilidade nos pedidos. Seja em lanchonetes, fast-food ou restaurantes gourmet, sempre há momentos de espera. No caso das lanchonetes e fast foods essa espera ocorre na área das filas e onde se conta visualmente com o digital menuboard, enquan

Elemidia eleva o nível da discussão sobre métrica no Brasil

Ontem foi divulgado o resultado da auditoria da PricewaterhouseCoopers sobre o sistema de publicação da Elemídia . Esse é um importante passo não somente para a Elemidia como para toda a nossa indústria, ao elevar a discussão da métrica e confiabilidade dos sistemas de DOOH (Digital Out-of-Home). Ainda hoje algumas das principais empresas no segmento são sujeitas a fornecer "foto checking" ou outros métodos herdados de outros meios para comprovar a veiculação. Com a chancela de uma auditoria e toda a divulgação da Elemidia, elevamos a discussão junto aos anunciantes ao promover a credibilidade dos relatórios de exibição e torná-los o documento padrão . O efeito no médio-longo prazo será que os grandes compradores de mídia passarão a exigir esse nível de credibilidade de todos operadores de redes de mídia DOOH. Empresas como a Accent Health operam 12 mil clínicas no exterior. A Neo Advertising tem em torno de 150 mil telas na Europa e EUA. Imagine se houvesse a neces

JCDecaux em Heathrow e as telas sequenciais

Recentemente escrevi a respeito da pesquisa EyeTracker realizada pela JCDecaux . Embasado nesses resultados, instalaram um projeto no Terminal 5 do aeroporto internacional de Londres (Heathrow) denominado "The Runway". O terminal é conhecido por ser praticamente um shopping de luxo, exibindo marcas como Prada, Bulgari e Tiffany . As 40 telas foram posicionadas no teto e colocadas na vertical. A inovação fica por conta das telas sequenciais, que segundo a pesquisa permite a melhor assimilação das mensagens. O conteúdo será vendido em campanhas de 2 semanas e voltadas para as marcas de luxo como moda, perfumes, joías, viagens de luxo entre outros. Segue o texto em inglês ( o termo saccadic diz respeito exatamente a essa forma de movimentação rápida dos olhos ): Eyetracker – sequential viewing research A key finding is that people on the move look around in a non-linear way, with their eyes flicking back and forth from the middle distance as they search for and are attr