Pular para o conteúdo principal

7-Eleven, 6200 lojas de conveniência em 2010


Muito tem se falado essa semana sobre o contrato assinado entre a Digital Display Networks e a rede de lojas de conveniênvia 7-Eleven. Com 60 lojas instaladas atualmente e 6200 previstas até o final de 2010, vão impactar uma audiência de 190 milhões de pessoas, tornando-se, segundo o release a maior rede de Digital-out-of home dos EUA.

(Nota do autor, a empresa onde trabalho atualmente tem um projeto instalado em um cliente com 12 mil pontos nos EUA, a Accent Health, provavelmente a maior rede de DOOH nos EUA, em número de pontos instalados.)

Venho ouvindo falar sobre o projeto do 7-Eleven desde que comecei no Digital Signage. De lá para cá constatei que o segmento de lojas de conveniência é, ao menos no Brasil, consideravelmente mais desafiador do que o originalmente esperado. Nesse período vi uma rede iniciada em 2005 nas lojas da Ipiranga iniciar e falhar, e da mesma forma tenho alguns clientes, empresas sólidas em nosso mercado, que não tem encontrado facilidade em operar nesse segmento. Acredito que analisar a experiência internacional no passado possa nos trazer luz e realizar as dificuldades que a DDN vai ter que enfrentar..

Por volta de 1999-2001 uma das mais badaladas empresas de Digital Signage era a Next Generation Networks (NGN). A empresa levantou $96 milhões de USD$ no mercado e preparava-se para um IPO, até explodir junto com a bolha da internet.

A primeira iniciativa da 7-Eleven foi um contrato com a NGN nessa época. O acordo previa um pagamento mínimo de $3 milhões por ano e uma multa de $150 mil por loja se a NGN não atingisse as 4800 lojas instaladas no prazo estipulado na época (3-4 anos). Uma outra cláusula dava o direito ao 7-Eleven terminar o relacionamento com um aviso prévio de 30 dias caso essa marca não fosse atingida.

A NGN desembolsou milhões em multas e não conseguiu atingir as metas esperadas, somando aos custos elevados da operação. O mix de anunciantes nacionais vs regionais era bem menos compreendido do que hoje e a NGN falhou também em diversos aspectos de sua estratégia comercial. O que restou da empresa entre bens e tecnologia foi adquirido pela Regal Cinemedia, no entanto, não havia muito a ser aproveitado, a tecnologia proprietária também já se encontrava defasada pouco depois (ao contrário do que se imagina, desenvolver software para o segmento exige investimento contínuo e a um custo alto).

O 7-Eleven não investiu nada nesse contrato, tudo correu por conta da NGN. Atualmente, qualquer bom profissional do segmento sabe que o varejista tem que estar envolvido em alguma parte do risco para que o projeto tenha chances de sucesso. A parceria com a NGN foi totalmente unilateral.

Não tenho maiores detalhes sobre o acordo com a DDN, mas acredito que de maneira similar vão arcar com todo o investimento para o 7-Eleven TV. Se assim for, é bem provável que esse projeto venha a encerrar com outra startup no segmento.

Comentários

Unknown disse…
Belo Post Yuri! Abs Cadena
Anônimo disse…
Olá Yuri!Gostaria de saber se tem uma loja da 7-Eleven no [Brasil] São Paulo!

Postagens mais visitadas deste blog

Elemidia eleva o nível da discussão sobre métrica no Brasil

Ontem foi divulgado o resultado da auditoria da PricewaterhouseCoopers sobre o sistema de publicação da Elemídia . Esse é um importante passo não somente para a Elemidia como para toda a nossa indústria, ao elevar a discussão da métrica e confiabilidade dos sistemas de DOOH (Digital Out-of-Home). Ainda hoje algumas das principais empresas no segmento são sujeitas a fornecer "foto checking" ou outros métodos herdados de outros meios para comprovar a veiculação. Com a chancela de uma auditoria e toda a divulgação da Elemidia, elevamos a discussão junto aos anunciantes ao promover a credibilidade dos relatórios de exibição e torná-los o documento padrão . O efeito no médio-longo prazo será que os grandes compradores de mídia passarão a exigir esse nível de credibilidade de todos operadores de redes de mídia DOOH. Empresas como a Accent Health operam 12 mil clínicas no exterior. A Neo Advertising tem em torno de 150 mil telas na Europa e EUA. Imagine se houvesse a neces

Verifone compra operação de Taxis da Clearchannel

Destaque na 1a semana do ano foi a aquisição da operação de mídia em Taxis em New York da Clearchannel pela Verifone (NYSE:PAY). A gigante das transações eletrônicas abrange agora 90% dos taxis em NY, representando 300 mil viagens/dia. Ao final do ano passado a Verifone trouxe um executivo do segmento Digital-Out-of-Home, vindo da Danoo (incorporada em Julho pela RMG Networks ), para assumir o cargo de vice-presidente comercial de mídia para os EUA. O executivo passa a responder a Bulent Ozayaz, ex-gerente geral da operação de Wireless Business e relocado para o que eles chamam de "payment-enabled media", ou, buscando uma tradução para o portugûes, mídia em sistemas de pagamento online. Em resumo: - Termos financeiros da operação não foram revelados. - Segundo a Verifone: "Sistemas de conteúdo digital em Taxis estão posicionados para se tornarem um dos mais inovadores pontos de publicidade, a medida que gastos publicitários movem das mídias tradicionais para online

JCDecaux em Heathrow e as telas sequenciais

Recentemente escrevi a respeito da pesquisa EyeTracker realizada pela JCDecaux . Embasado nesses resultados, instalaram um projeto no Terminal 5 do aeroporto internacional de Londres (Heathrow) denominado "The Runway". O terminal é conhecido por ser praticamente um shopping de luxo, exibindo marcas como Prada, Bulgari e Tiffany . As 40 telas foram posicionadas no teto e colocadas na vertical. A inovação fica por conta das telas sequenciais, que segundo a pesquisa permite a melhor assimilação das mensagens. O conteúdo será vendido em campanhas de 2 semanas e voltadas para as marcas de luxo como moda, perfumes, joías, viagens de luxo entre outros. Segue o texto em inglês ( o termo saccadic diz respeito exatamente a essa forma de movimentação rápida dos olhos ): Eyetracker – sequential viewing research A key finding is that people on the move look around in a non-linear way, with their eyes flicking back and forth from the middle distance as they search for and are attr