Pular para o conteúdo principal

DSE 2011 - impressões do MundOOH


Os líderes seguem líderes, ainda que com poucas novidades. Talvez as melhores mesmo tenham sido dos nossos amigos brasileiros e latinos.

Tive a felicidade de ver reunido uma variedade de operadores de rede, do México ao Chile (incluíndo a espanhola TMT, que nesse momento virou tão latina quanto nós), em frente a nossa movimentada sala de reuniões.

A ABDOH marcou forte presença com 10 executivos de empresas associadas. O jornal Meio & Mensagem acompanhou a comitiva e foi mais uma boa estratégia da associação para fortalecer o meio no Brasil. Ficou evidente que o grau de maturidade de nossos operadores de redes rivaliza seus pares estrangeiros.

Grandes operadores internacionais e norte americanos voltam a investir, muito atentos a recuperação em seus próprios mercados.

Segue um resumo do que me chamou a atenção:
  • Tela transparente da LG - a tecnologia promete trazer a realidade aumentada da janela da sua casa ao parabrisa do seu carro (ainda que as aplicações no video sejam até pouco impressionantes):


  • Tela Flexível da NanoLumens

  • FlyPaper: Excelente ferramenta online para criação rápida de conteúdo. Exporta para Flash.
  • LG, Samsung e Intel (divisão Embedded) foram os maiores fabricantes de hw na feira. Entre os fornecedores Intel, destaque para a Aopen e MSI demonstrando plataformas Embedded.
  • Interação com mobile foi assunto de algumas das palestras, ainda que abordado de maneira bastante genérica e até didática. Veremos cada vez mais interatividade com dispositivos móveis, essa interação é uma necessidade de nossa indústria.
  • Entre as coisas interessantes que passaram quase desapercebidas, conheci um pouco mais sobre o Digital Content Circle, um site de discussões sobre melhores práticas de produção de conteúdo.
  • Algumas empresas de conteúdo apareceram com stands. Me faltou tempo para ver todas a fundo, uma das mais badaladas foi a BluePony.
  • Ayuda e OpenSplash. Mostra o potencial do marketing dos norte americanos - essa empresa chamou a atenção com o conceito de um player não só grátis como também open source. A salada de ofertas de supostos players grátis não conseguiu convencer muita gente, a Ayuda somou a isso o apelo do open source. Após uma análise mais a fundo, percebe-se que a história não é bem essa. O OpenSplash visa efetivamente o desenvolvimento de um player open source, no entanto, não prevê seu software de controle e monitoramento. Ou seja, a Ayuda conta que todos os principais fornecedores de software adotem formas de se comunicar com esse player, o que acredito ser pouco realista. Nesse caso, a própria ayuda oferece seu software de monitoramento, baseado em uma mensalidade proporcional ao número de players. Ou seja, na prática é trocar seis por meia-dúzia - e, diga-se de passagem, o CRM da Ayuda é uma solução bem cara comparativamente.
  • A BroadSign apresentou o BroadSign 8 em duas salas de reunião, já que decidiram ceder, de última hora, seu stand para o LG SuperSign. A empresa onde trabalho segue com um produto inquestionavelmente top de linha e com poucos concorrentes reais no disputado mercado internacional. A nova versão adiciona 32 novas funcionalidades, muitas para atender as necessidades de outro grande novo cliente, a JCDecaux, considerada a maior empresa de mídia out-of-home do mundo, sediada em Paris.
  • Intel AVA - Advanced Video Analytics. Diversas empresas mostraram soluções integradas ao software de "video analytics" da Intel. Essa plataforma é baseada na antiga Cognovision, recém adquirira pela Intel. A proposta é oferecer uma plataforma que consiga medir a audiência em frente a uma tela utilizando uma webcam apontada para o público. A segunda possibilidade é de disparar mensagens na tela de acordo com sexo e idade da audiência.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os segredos do sucesso dos Digital Menuboards

Por que todas as principais redes de alimentação, grandes ou pequenas, tem adotado os Digital Menuboards?  As tecnologias de Digital Signage  são um tempero certeiro no varejo da alimentação. Ver um cheeseburger perfeitamente preparado em uma TV nos fará salivar mesmo que estejamos no sofa de casa distante de um restaurante. Marketing e publicidade digitais tem a capacidade de potencializar o apelo de produtos e serviços. Apelo que ganha ainda mais força quando atuamos no ponto de venda onde o cliente toma sua decisão. Elementos visuais criam estímulos tão poderosos quanto os olfativos na sensação de fome de seus clientes. A lógica é simples: "Se sua comida se apresenta bonita, ela também deve ser saborosa." Redução de espera e agilidade nos pedidos. Seja em lanchonetes, fast-food ou restaurantes gourmet, sempre há momentos de espera. No caso das lanchonetes e fast foods essa espera ocorre na área das filas e onde se conta visualmente com o digital menuboard, enquan

Elemidia eleva o nível da discussão sobre métrica no Brasil

Ontem foi divulgado o resultado da auditoria da PricewaterhouseCoopers sobre o sistema de publicação da Elemídia . Esse é um importante passo não somente para a Elemidia como para toda a nossa indústria, ao elevar a discussão da métrica e confiabilidade dos sistemas de DOOH (Digital Out-of-Home). Ainda hoje algumas das principais empresas no segmento são sujeitas a fornecer "foto checking" ou outros métodos herdados de outros meios para comprovar a veiculação. Com a chancela de uma auditoria e toda a divulgação da Elemidia, elevamos a discussão junto aos anunciantes ao promover a credibilidade dos relatórios de exibição e torná-los o documento padrão . O efeito no médio-longo prazo será que os grandes compradores de mídia passarão a exigir esse nível de credibilidade de todos operadores de redes de mídia DOOH. Empresas como a Accent Health operam 12 mil clínicas no exterior. A Neo Advertising tem em torno de 150 mil telas na Europa e EUA. Imagine se houvesse a neces

JCDecaux em Heathrow e as telas sequenciais

Recentemente escrevi a respeito da pesquisa EyeTracker realizada pela JCDecaux . Embasado nesses resultados, instalaram um projeto no Terminal 5 do aeroporto internacional de Londres (Heathrow) denominado "The Runway". O terminal é conhecido por ser praticamente um shopping de luxo, exibindo marcas como Prada, Bulgari e Tiffany . As 40 telas foram posicionadas no teto e colocadas na vertical. A inovação fica por conta das telas sequenciais, que segundo a pesquisa permite a melhor assimilação das mensagens. O conteúdo será vendido em campanhas de 2 semanas e voltadas para as marcas de luxo como moda, perfumes, joías, viagens de luxo entre outros. Segue o texto em inglês ( o termo saccadic diz respeito exatamente a essa forma de movimentação rápida dos olhos ): Eyetracker – sequential viewing research A key finding is that people on the move look around in a non-linear way, with their eyes flicking back and forth from the middle distance as they search for and are attr